READING

DROPS – Sala interativa faz público se sentir como...

DROPS – Sala interativa faz público se sentir como Bracher no CCBB do Rio

Instagram ‘eterniza’ criações da experiência imersiva e tecnológica

Criada para ser propagada no Instagram, a sala interativa que faz parte da exposição “Carlos Bracher – Pintura e Permanência” oferece ao público a possibilidade de se sentir como o pintor mineiro por meio de imersão e interatividade. O resultado fica alguns segundos no ar, que é tempo suficiente para ser clicado e difundido na rede social. Concebida e realizada pela dupla de artistas Barbara Castro e Luiz Ludwig, a obra está em cartaz até 1º de junho no cofre do CCBB do Rio. Depois, segue para Brasília e Ipatinga, em Minas Gerais.

bracher-interativo_03

z-3B---sala-interativa-expo-Bracher-realizada-pela-dupla-de-artistas-Barbara-Castro-e-Luiz-Ludwig

Ao invés de tinta, códigos binários foram programados por meio de alta tecnologia para proporcionar a sensação de conseguir pincelar com a intensidade de Bracher. “Essa transposição de materialidade foi o nosso maior desafio. Inclusive ouvimos dele algo como ‘Engraçado. Vocês conseguiram reproduzir as minhas pinceladas em números’. E foi exatamente isso”, comenta Ludwig, que é especialista em transformar a experiência no museu em algo prazeroso e mais próximo do entretenimento.

Sala Interativa Bracher no Instagram from Luiz Ludwig on Vimeo.

”O processo interativo é intuitivo e todas as pequenas dicas deixam o processo de interação mais fluido, sem que ninguém precise receber qualquer instrução” – Barbara Castro

Imersão na obra estimula a interação

Resumidamente, a experiência do usuário se dá da seguinte forma: Ao entrar no cofre, a pessoa é envolvida pela poesia de Carlos Bracher e por uma das músicas que inspiram suas pinturas. Logo após poucos passos, a silhueta dela é refletida na parede, um ponto de luz a atrai, e seus gestos com as mãos passam a ganhar a expressividade das pinceladas de Bracher. As palavras com a grafia do artista correm para os cantos para emprestar o lugar a essa criação efêmera, que fica alguns segundos no ar, e se desmancha pouco a pouco. Nesse pequeno intervalo final, a maioria das pessoas fotografa, e compartilha no Instagram.

”O processo interativo é intuitivo e todas as pequenas dicas deixam o processo de interação mais fluido, sem que ninguém precise receber qualquer instrução”, explica a artista-pesquisadora e designer Barbara Castro, que é doutoranda em Artes Visuais pela UFRJ.

O público ganha a oportunidade de expressar o que viu sobre o artista ao longo da exposição, e ainda juntar com a sua própria história e gostos. Em cada “pincelada virtual”, consegue-se um efeito com três cores. Foi feito um estudo aprofundado da paleta de cores, do tom sobre tom, e dos traços de Bracher, por exemplo, com o intuito de aproximar o resultado ao máximo da obra do pintor. A instalação tem também a reprodução de algumas das típicas dedicatórias e poemas que Bracher coloca no verso de quadros. A exposição completa foi Destaque Especial no Prêmio Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA), edição 2014.

Sala Interativa Bracher from Luiz Ludwig on Vimeo.

Experiências de Barbara e Luiz se complementam

Este é o primeiro trabalho da dupla, que se conheceu durante a graduação em Desenho Industrial na PUC-Rio. Nascidos em 1988 e nerds assumidos, os jovens artistas seguiram por caminhos diferentes e complementares.

A produção de Barbara Castro é marcada pela transdisciplinaridade, atuando especialmente nas áreas de interatividade e programação criativa. É doutoranda em Artes Visuais / Poéticas Interdisciplinares, e no mestrado pesquisou a visualidade do movimento humano em relação a sistemas sensoriais artificiais.
bracher-interativo_01

bracher-interativo_RJ_instagram_04-compressor

Já Luiz Ludwig, que é professor na PUC-Rio, se especializou em transformar a experiência do usuário de museus em algo mais acessível e atraente. Fez o mestrado no Maryland Institute College of Art, nos Estados Unidos, onde dedicou-se à pesquisa da relação entre tecnologia e design a fim de proporcionar experiências participativas para o público.

Os dois participam de todo o processo de produção das obras interativas que já trabalharam, desde o conceito até a programação de dados. Nesta instalação imersiva e interativa, Ludwig a convidou após decidir fazer a interatividade ligada ao corpo. O resultado dessa parceria está cumprindo sua proposta, e eles estão colecionando todas as publicações no Instagram sobre a experiência no cofre do CCBB do Rio, que integra a exposição “Carlos Bracher – Pintura e Permanência”.

 

Fonte:  Influência Comunicação – Jéssica Leiras


Post escrito por mais de um colunista, um parceiro convidado, ou um artigo enviado por um de nossos leitores. Para colaborar conosco, ou sugerir alguma pauta, basta enviar um e-mail para contato@mz.rec.br.

RELATED POST

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

INSTAGRAM
ACOMPANHE NOSSAS NOVIDADES